Tractor working on field on a sunny day. Agriculture tractor cultivating field, side view. Agricultural machinery concept.
Retrato de Hugo Bethlem. São Paulo, 19 de novembro de 2020. Foto de Thaïs Helena Falcão/Olho do Falcão.
Perspective of long and large glasshouse interior with aisle between two plantations with lettuce of various sorts

Notícias

Agroconsciente na prática

Ir além de gerar lucros é o princípio básico do capitalismo consciente. Os negócios que seguem essa corrente (que já não […]



"226 empresas brasileiras conscientes com práticas de ESG alinhadas ao rating de consciência da pesquisa."


Ir além de gerar lucros é o princípio básico do capitalismo consciente. Os negócios que seguem essa corrente (que já não é mais do futuro) devem se atentar também a geração de renda, emprego e valores de bem-estar social. O mundo agro também faz parte dessa transformação, buscando formar uma rede de cooperação nas cadeias produtivas. Assim, juntas, as marcas conseguem atingir a sustentabilidade, o sucesso e o crescimento de pessoas e comunidades envolvidas. É o Agroconsciente.

Hugo Bethlem, co-fundador e presidente do Conselho do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, explica que esse conceito é de suma importância para empresas alinhadas aos pilares do environmental, social and corporate governance (ESG). Segundo a Pesquisa Humanizadas 2020, temos resultados positivos de 226 empresas brasileiras conscientes com práticas de ESG alinhadas ao rating de consciência da pesquisa. “Temos 4 empresas identificadas que de alguma forma tem relação com o agrobusiness consciente: Fazenda da Toca, Sitio Barreiras, Dengo e Jacto”, revela.

A Fazenda da Toca, um dos exemplos citados por ele, passou por uma grande mudança em 2009. O fundador da marca transformou a propriedade em um núcleo de produção de orgânicos em larga escala, que hoje mantém quatro grandes operações: ovos orgânicos, sob gestão própria da Fazenda, além de leite orgânico, grãos e sistemas agroflorestais (por meio de sistemas de parceria). Inclusive, com o seu bom exemplo, a Toca já recebeu uma série de reconhecimentos, certificações e premiações por diferentes práticas conscientes que contribuíram a repensar o modelo de negócios no campo, sempre com o objetivo de causar impacto positivo para o planeta.

“A pandemia trouxe o despertar da consciência (não foi, infelizmente, um ponto de inflexão, mas um grande ponto de reflexão). ESG (Eco-ambiental, Social e Governança) veio para ficar e somente empresas focadas em todos os stakeholders e não apenas no acionista. Muitas lideranças vieram se associar e buscar o Capitalismo Consciente como apoio nas suas transformações para uma gestão mais humanizada e ESG”, revela Hugo Bethlem. Atualmente, são mais de 3.000 embaixadores que se filiaram ao movimento desde o início da pandemia, isso mostra muito interesse em mudar e encontrar eco nos pensamentos.

Sobre as perspectivas para curto, médio e longo prazo, o presidente do Conselho do Instituto Capitalismo Consciente Brasil informa que se uma empresa buscar benefícios em pouco tempo pelos seus investimentos e iniciativas alinhadas às práticas do ESG, já começou errada e nada entende o que é ESG. “Investir no ESG é irreversível e precisa começar pelo G da Governança, pois sem uma governança estruturada, séria, ética e transparente nenhum investimento ou iniciativa no Social ou no Eco-ambiental será verdadeira e sustentável. Governança deve ser um driver de inovação, aliás fundamental para que evoluímos de um modelo econômico linear que será insustentável, para um modelo econômico circular”. Ele resume: para inovar a empresa precisa admitir a vulnerabilidade para que as pessoas, tenham a segurança psicológica para tentar e errar se for preciso para inovar. O ESG deve ser tratado como valor e negócio e não como filantropia. Os resultados virão no médio e longo prazos para as empresas que fizerem seus investimentos como descrito acima, de maneira consistente, atenta às materialidades próprias e do setor. A Governança vai apoiar nas decisões sustentáveis, reforçadas pela cultura e propósito dos negócios, que por sua vez deverá definir métricas e acompanhar resultados.

Tractor working on field on a sunny day. Agriculture tractor cultivating field, side view. Agricultural machinery concept.

"nvestir no ESG é irreversível e precisa começar pelo G da Governança, pois sem uma governança estruturada nenhum investimento ou iniciativa no Social ou no Eco-ambiental será verdadeira e sustentável."

Entenda o que é o conceito Agroconsciente.


Investimentos sustentáveis em alta no Brasil

Entrar no mercado de capitais exige estudo e acompanhamento constante. Requer também parceiros sólidos e competentes que vão ajudar na […]